0

Como empreender sem medo da concorrência

Ser dono do próprio negócio é o sonho de muita gente, mas não é nada fácil, principalmente no início. Temos muitas dúvidas, medos e inseguranças, e é preciso seguir em frente mesmo com elas.

Uma das principais inseguranças dos empreendedores que estão começando sua jornada é se o mercado em que pretende entrar é o mais indicado para ele.

Para descobrir você precisa responder o seguinte: porque estou entrando neste negócio?

Eu amo fazer isso.“, “É o que eu faço melhor na vida.“, “Posso tornar o mundo um lugar melhor com o meu negócio.“, “Vou conseguir ajudar muita gente.“, “Para sustentar a minha família.“, “É muito lucrativo.“.

Não existe uma resposta correta, ela só precisa ser forte o suficiente para te manter determinado e com foco durante sua caminhada. Se for uma motivação fraca, acredite, na primeira ou segunda dificuldade que você passar, e vai passar, você pensará em desistir.

Agora sim, já podemos falar sobre concorrência. 🙂

Muita gente me pergunta o que fazer quando encaramos um mercado muito saturado, com muitas ofertas e concorrentes, e se é uma boa entrar nesse ramo mesmo assim.

Antes de responder, preciso perguntar: será que ele está mesmo tão saturado?

A concorrência é mesmo tão grande quanto você imagina?

Como assim?! Você não está vendo esse monte de ofertas que tem por aí? Olha quanta gente fazendo a mesma coisa!

Calma, calma. Eu não disse que não tem muita oferta, ou que não há muitas empresas querendo uma fatia desse mercado, apenas quero te convidar a questionar a situação. Acredite, raramente ele está tão saturado quanto pensamos.

Isso acontece por dois motivos:

1. Se tem muita gente, tem muito dinheiro envolvido

Simples assim. Se várias empresas estão em uma determinada área, é porque tem muito dinheiro circulando por ali.

O que é melhor? Um mercado onde você está sozinho, livre de concorrentes, mas que não é rentável ou um mercado com concorrentes, mas ao mesmo tempo com muito dinheiro de onde você pode tirar a sua fatia?

Para ficar mais claro, imagine um mercado que movimenta R$1 bilhão por ano. Agora imagine que você, depois de muito trabalho e dedicação, passou a dominar uma pequena parcela deste mercado. Digamos que apenas 1%.

1% pode parecer pouco, mas dessa forma você terá um negócio que fatura R$10 milhões por ano.

Não estou dizendo que é fácil, mas a matemática é bem simples.

Conclusão: um determinado mercado pode ter muitos concorrentes, mas se o dinheiro envolvido for muito grande, vale a pena buscar a sua fatia desse bolo.

2. Você não estudou a concorrência

Antes de sentir-se ameaçado por seus futuros concorrentes, avalie cada um deles. Mas olhe bem de perto.

Há quanto tempo estão no mercado? Quanto eles cobram pelo produto ou serviço? O produto deles é realmente bom? A identidade visual deles é bem planejada e executada? Eles têm um site legal? Eles têm um site? Como eles se comportam nas redes sociais? Eles estão nas redes sociais? Além do Facebook, eles também estão presentes pelo menos no Instagram? O público interage com as postagens? Com que frequência eles postam? Já ouviu – ou leu – alguém elogiando? Alguém reclamando? Já os viu solucionando um problema ou dúvida de algum cliente?

Após responder a essas perguntas você vai perceber que pouquíssimos serão uma real concorrência. Se você anotou 30 na sua lista, sobraram no máximo 3 que fazem um trabalho competente e têm real chance de competir com você.

Todos os outros 27 podem ser simplesmente ignorados por você. E sabe por quê?

Porque você vai “atropelar” esses concorrentes.

Você terá mais garra e energia do que eles, fará um trabalho muito mais competente e o público vai enxergar você em um nível acima deles.

Você vai atropelar a concorrência!

A solução

Talvez você não tenha se convencido e chegou até aqui pensando “O mercado do meu negócio está realmente saturado e não se aplica ao que você disse.” ou “Legal, realmente a maioria era ruim, mas ainda tenho concorrentes competentes.”. O que fazer nesses casos?

A solução é: nicho. Uma palavra que com certeza você já ouviu, mas talvez não saiba realmente o que é.

Já vi e ouvi diversas definições de “nicho”, e a que eu acredito ser a mais fácil de compreender é a seguinte:

“Nicho é um grupo de pessoas com dores e incômodos bem específicos e parecidos.”

É comum fazer confusão entre uma área e um nicho.

Para exemplificar, vamos supor que inauguraremos um restaurante.

Seria um erro dizer, por exemplo, que nosso nicho é o de restaurantes, ou até mesmo de alimentação. Isso é uma área, ou um setor.

Mas se dissermos que nosso nicho é o de pessoas veganas, homens e mulheres, entre 18 e 25 anos, que moram na cidade do Rio de Janeiro e que têm dificuldade de encontrar comida vegana no centro da cidade, aí sim temos um nicho.

Percebe a diferença? Nicho é sobre pessoas.

E existe algo mágico sobre os nichos que pode salvar o seu negócio em um mercado saturado.

Mas como um nicho ajuda a lidar com a concorrência?

Quando o mercado está cheio de concorrentes brigando por cada cliente, a solução mais eficaz é a segmentação deste mercado, ou seja, depositar os esforços de seu negócio em um público específico.

Já há alguns anos, Sony e Microsoft duelam com seus videogames pelo mesmo público: em sua maioria homens, adolescentes e jovens adultos, que buscam performance e jogos cada vez mais realistas. Então a Nintendo, brilhantemente, lançou o Nintendo Wii.

Poderia ser um fracasso, pois estavam pouco preocupados em exibir gráficos super realistas e jogos com tramas muito elaboradas.

Mas eles se concentraram em trazer jogos divertidos para as crianças e a família. Em outras palavras, eles simplesmente ignoraram a concorrência e escolheram não fazer parte da briga, apesar de também fabricarem videogames.

Isso mostra que nicho é sobre as pessoas, e não sobre o produto.

Seja a única escolha

Ao colocar seus esforços em um determinado nicho, é importante que você tenha em mente o seguinte objetivo: você deve se tornar a única escolha do seu público.

Mas como fazer isso? Vamos voltar ao exemplo do nosso restaurante vegano.

Imagine que você é vegano e está procurando um lugar para almoçar no centro do Rio de Janeiro. É bem provável que você encontre algumas poucas opções de comida vegana no cardápio de alguns restaurantes não especializados, nem que seja apenas uma saladinha, certo?

Agora imagine também que você sabe que existe um bom restaurante vegano próximo dali.

Você escolheria ir à um restaurante bastante movimentado, aparentemente bom, onde você vai achar uma ou duas opções de comida vegana, ou você preferiria ir ao restaurante vegano que é especializado no tipo de comida que você procura e provavelmente está melhor preparado para atender às suas necessidades?

O restaurante vegano parece ser a escolha mais sensata, concorda?

Ou seja, para quem é vegano e está querendo almoçar no centro do Rio de Janeiro, nosso restaurante é a única escolha. Eles não vão querer nem saber dos outros, pois para eles não existe comparação.

Esse conceito é muito importante e você pode aplicar à qualquer área. Vai fazer uma diferença enorme para o seu negócio.

Se você consegue entender isso, é fácil perceber que você não precisa – e não deve – concorrer com os “grandes”. Os grandes se preocupam em vender para o grande público, mas você pode se especializar em atender a um nicho e assim se tornar a melhor – e única – escolha para ele.

Nicho é um assunto muito abrangente e muito fácil de gerar confusão, então se tiver alguma dúvida comente aqui embaixo!

Até a próxima! 😀

Você também vai gostar de